domingo, 20 de fevereiro de 2011

Para Entender Economia II

Era uma vez um reino muito, muito distante que ficava ao lado de uma floresta habitada por pequenos trolls. Há muito, muito tempo atrás, os trolls resolveram fazer uma brincadeira para infernizar a vida dos humanos do reino. À noite, enquanto todos estavam dormindo, eles invadiram silenciosamente todas as casas, estabelecimentos comerciais, bancos, etc. Seu objetivo era adicionar um zero (ou seja, multiplicar por dez) em todas as cédulas e moedas, em todas as listas de preços, em todas os débitos e créditos e em todas as dívidas do reino. Depois de feito isto, eles ficaram espiando os humanos para ver a confusão que iria acontecer e dar boas gargalhadas. Infelizmente para eles, nada aconteceu. Como todos os preços da economia foram multiplicados por dez, assim como todo o estoque de moeda, não houve nenhuma alteração de preços relativos, ninguém ficou mais rico ou mais pobre por causa da brincadeira dos trolls e a vida dos humanos continuou normalmente (economistas chamam isto de neutralidade da moeda, ou seja, mudanças proporcionais da quantidade de moeda e dos preços não afetam decisões ou o lado real da economia, afetando somente valores nominais).

Tristes com o resultado enfadonho da brincadeira, eles resolveram na noite seguinte adicionar mais um zero apenas nas notas e moedas do reino. A brincadeira ficou mais divertida, os humanos com dinheiro começaram a comprar mais coisas e, como a quantidade de bens era ainda a mesma, humanos com menos dinheiro compraram menos bens; os preços começaram a subir e o ajustamento terminou quando todos os preços aumentaram de forma proporcional ao aumento da quantidade de moeda, ou seja, foram multiplicados por dez também. Os trolls adoraram o que aconteceu. Alguns humanos ficaram mais ricos, pois tinham mais dinheiro e compraram mais bens, enquanto outros ficaram mais pobres, pois venderam bens a preços relativos mais baixos, ou seja a relação de troca dos bens que produziam piorou (economistas dizem que, no curto prazo, enquanto houver um processo de ajustamento em direção ao equilíbrio de longo prazo, moeda não é neutra).

A harmonia vigente no reino começou a se desintegrar, os humanos que sofreram perdas começaram a demandar políticas corretivas do Rei para melhorar a distribuição de renda. Os trolls não conseguiram mais parar de rir quando o Rei, para resolver o problema, criou o Ministério da Justiça e Igualdade Social, que começou a distribuir dinheiro para todos os que se sentiram prejudicados. A oferta de moeda começou a subir sem parar e os trolls não mais precisaram entrar nas casas dos humanos para alterar o número de zeros das notas, pois agora os próprios humanos o estavam fazendo. Com a quantidade de moeda subindo, os preços continuaram subindo também, assim como as demandas por justiça social para corrigir as desigualdades criadas pela dança dos preços relativos, visto que os preços não subiam na mesma velocidade (economistas dizem que moeda não é super neutra, isto é, inflação não é neutra nem mesmo no equilíbrio do estado estacionário).

O Rei autorizou então maiores emissões monetárias a cada período, os preços dispararam e a inflação subia sem parar. O problema maior é que o Rei teve que comprar mais uma impressora de notas para suprir as necessidades do Ministério da Justiça e Igualdade Social, cujo orçamento crescia sem parar. Para controlar a distribuição do dinheiro, o Ministério começou a contratar mais e mais burocratas, que antes produziam bens que os outros consumiam. Desta forma, a quantidade de bens no reino começou a minguar. O aumento da escassez de bens, junto com o desconforto proveniente das desigualdades criadas começou a minar o apoio popular ao Rei. Foi então criado um novo partido político, de plataforma nacional socialista, cujo objetivo era reconquistar a dignidade perdida e acabar com a exploração, causada por aqueles que aumentavam seus preços sem parar. Isto já é uma outra história, mas conta-se que, até hoje, humanos que adentram a floresta escutam longínquas gargalhadas...

5 comentários:

Julio Cesar Araujo disse...

Parabéns professor,
Excelente

Anônimo disse...

Ótimo, mandou muito bem!
André

Anônimo disse...

Caro Ronald, sinto falta desse seu humor sarcástico, quase que Voltariano, nas aulas de Teoria e Economia Política.

Grande abraço,
Caio.

Pedro Américo disse...

Muito bom.

Dany disse...

Eis um economista que não escreve 'economês'. Seus leitores agradecem!