domingo, 31 de julho de 2011

Vantagens Comparativas Para Leigos

Era uma vez uma família que tinha dois filhos, John e Paul (na verdade eram quatro, com George e Ringo. Mas estes ficam de fora desta história a título de simplificação). John tinha nove anos, Paul apenas seis e dormiam cada um no seu quarto. Todo dia de manhã, antes de irem para a escola, sua mãe pedia a cada um para  arrumar seu quarto, o que envolvia as tarefas de arrumar a cama e guardar os brinquedos. Como eles tinham idades e aptidões físicas diferentes, eles levavam tempos distintos para executar estas tarefas, como mostra a tabela abaixo:


Guardar Brinquedos
Arrumar a Cama
John
9 min
8 min
Paul
12 min
15 min

Como John era o mais velho e mais destro, ele conseguia executar as duas tarefas em seu quarto mais rapidamente que seu irmão mais novo. John então gastava 17 minutos enquanto que Paul gastava 27 minutos todo dia nas duas tarefas. O pai deles era um economista convencional, que gostava de contar histórias de economistas famosos à mesa do jantar. John gostava das histórias, e um dia ficou intrigado com a ideia de que trocas voluntárias sempre melhoram a vida das pessoas, que foi a moral da história que seu pai contou naquela noite. Isto não saiu da sua cabeça e ele foi dormir pensando a respeito.

No dia seguinte, pela manhã, John teve uma ideia e propôs a Paul o seguinte trato: Ele (John) arrumaria as duas camas enquanto que Paul guardaria os brinquedos nos dois quartos. Este trato envolvia uma troca de uma arrumação de cama pela guarda de brinquedos. John passou a gastar 16 minutos nas duas tarefas enquanto que Paul apenas 24 minutos. John economizou um minuto todas as manhãs, enquanto que Paul economizou três minutos por manhã. Ambos gostaram da nova situação pois tinham mais tempo disponível para brincar.

O que John e Paul descobriram foram o princípio de vantagens comparativas. John produzia cada uma das tarefas a um custo menor do que Paul, então ele tinha vantagens absolutas nas tarefas. Mas isto não impediu ganhos de trocas, pois John tinha uma vantagem comparativa em relação a Paul em arrumar as camas, pois fazia esta tarefa relativamente mais rápido, enquanto que Paul tinha uma vantagem comparativa para guardar os brinquedos.

John gostou tanto da engenhosidade da sua ideia que contou a seu pai o que aconteceu. Naquela mesma noite, seu pai explicou que o princípio de vantagens comparativas está por trás de todas as boas decisões no que diz respeito a trocas e especialização. Não precisamos fazer tudo o que consumimos, disse ele, podemos nos especializar naquilo que fazemos relativamente melhor e capturar ganhos por meio de trocas. E isto serve também para o comércio entre países: Vários países pequenos são ricos pois praticam comércio internacional e não produzem tudo que precisam. Seu sucesso está baseado na exploração de suas vantagens comparativas, finalizou.

Mas o tempo passou, os dois irmãos cresceram e desenvolveram novas aptidões, graças ao tempo extra ganho pelas trocas efetuadas todas as manhãs. John aprendeu a tocar guitarra e Paul piano, e assim desenvolveram novas vantagens comparativas. Eles montaram uma banda e ficaram famosos. Agora, eles não têm mais o problema de guardar os brinquedos, nem arrumam mais as suas camas, pois existem inúmeras fãs dispostas a fazê-lo. John e Paul ficaram ricos explorando suas novas vantagens comparativas, mas isto já é uma outra história.

Um comentário:

Gabrielito disse...

Bah, muito bom Professor rsrsrsrs!!!
Um abraço!